"O Livro do Tempo"

Esse livro foi a semente, de onde germinou "O Projeto dos Três Círculos", no qual está incluso a possibilidade do leitor enveredar por uma viagem mística pelos caminhos da vida. Em suas páginas fica evidente que o homem está envolto em ideologias limitadoras, dependendo de inspiração para quebrar paradigmas, ativando as percepções sensitivas. Ao ler quaisquer das histórias relatadas nas páginas desse livro, surgem às dúvidas, motivando a busca do "eu interior", produzindo a reflexão do equilíbrio emocional, duradouro.


Segue pequeno trecho de uma das histórias de "O Livro do Tempo":

... Então surgiu o fato mais curioso: do meio dos papéis velhos, do mesmo lugar onde ele retirou os pedaços de pães, aparece um pequeno livro. O Senhor, aquele mesmo do cumprimento, o mesmo do pedaço de pão, abre o livro e começa a explicar, falando das anotações dele. As páginas eram muito velhas e de material quase transparente. Pegou uma folha branca e a fez de fundo, aí, decifrávamos com facilidade tudo o que o diário trazia anotado.

 
 
 
    Untitled Document
 
Untitled Document

Descrevia sobre as coisas da nossa vida, desde a infância, a adolescência, dos amigos, dos estudos, as esperanças de um futuro promissor, mas, trazia também as tristezas, as dores, as amarguras, o medo do desconhecido, do amor, da caridade, e muito mais. A leitura era rápida como um relâmpago, as páginas eram entendidas mesmo sem que fossem viradas, era como se o fundo branco ali colocado pelo Senhor fosse a tela de um computador, que, ao teclarmos "enter", virava, trazendo novas informações .

Então o Senhor pegou um pedaço de fundo preto e dividiu a página do pequeno livro em duas, a de cima ficou branca, e a de baixo preta. A leitura ficou diferente, na parte branca apareciam nomes que não me recordo bem, mas, na parte de baixo, com o fundo preto, surgiam símbolos como hieróglifos, que vinham à visão, escritos em colunas gravadas em dourado. O Senhor então, sem me olhar, notava minha curiosidade e falou: "Aqui é a cidade. Aqui estão as anotações do tempo e sua preocupação com seus amigos, que desconhecem o segredo que hoje você passa a desvendar, serão beneficiados pelos seus conhecimentos, pelas nobreza que traz e que será dividida quando aprender o significado dos símbolos deste livro e a luz iluminará totalmente as jornadas da solidão."

Então me veio à mente a primeira dúvida: Cristo jejuou quarenta dias e por este tempo vagou pelos desertos, tentado pelo demônio e sofreu as dores do saber divino e conheceu as verdades do Pai.

Há o tempo da curiosidade; há o tempo dos amigos; há o tempo da crença ; há o tempo da descrença; há o tempo das ilusões; há o tempo do amor; mas, há o tempo dos tempos, onde o Livro da Lei, ou das Verdades Eternas, ocultadas em tempos perdidos; há o tempo da solidão do homem, onde a chave está no fundo dos olhos do coração.

Voltar